Como implementar projetos de RFID – Siemens

Passado o momento de entender a tecnologia RFID e seus benefícios, chegou a hora de começar a trabalhar suas aplicações. * Eduardo Araújo dos Santos

As discussões a respeito do sistema de etiquetas inteligentes RFID têm crescido muito no Brasil, nos últimos meses. O interesse por parte dos CIOs, diretores de Logística, diretores de Marketing e mesmo CEOs é crescente e cada vez mais qualificado. Muitos eventos organizados para debater o tema têm tido uma participação cada vez maior de representantes dos mais diversos setores da economia. Já é consenso que o RFID estará cada vez mais presente no dia-a-dia dos negócios e que a utilização do EPC (Electronic Product Code) em larga escala é questão de tempo.Há poucos anos, a maior parte das dúvidas residia no entendimento da tecnologia e nos benefícios que a mesma poderia trazer. Hoje, as discussões giram em torno de como viabilizar a implementação da solução RFID/EPC no prazo mais curto possível.Na verdade, o RFID não é uma novidade no Brasil. Já faz tempo que o sistema vem sendo aplicado com sucesso em diversos segmentos de mercado: está presente nos pedágios de muitas estradas, nos estacionamentos de shopping centers, nos pátios de muitas siderúrgicas, na movimentação de matériasprimas, no controle de acesso a prédios, no rastreamento de animais e em muitas outras aplicações. A novidade é a sua utilização em larga escala, em conjunto ou não com o EPC, na cadeia de abastecimento do varejo e na indústria de bens de consumo em geral, nas telecomunicações, nos aeroportos e nas indústrias: da saúde, farmacêutica, automobilística e aeronáutica, com aplicações que visam o monitoramento, o rastreamento, a segurança, a garantia de origem de produtos, ativos, containers, veículos e até mesmo pessoas. Os objetivos da utilização da solução RFID/EPC nessas indústrias são, entre outros, o incremento no nível de serviços a clientes, a redução de estoques, maior eficiência operacional, redução de perdas, redução de fraudes e falsificações.Aplicações no Brasil

Com relação a esta nova fase na utilização do RFID não é necessário recorrer a exemplos externos, pois muitas inicitivas também já estão em desenvolvimento no Brasil:

  • a Unilever está desenvolvendo um piloto com paletes etiquetados que circulam entre suas plantas e os CDs já faz mais de um ano;o Pão de Açúcar, a P&G, a Gillette e a CHEP, com o apoio da Accenture, desenvolveram um teste prático com paletes etiquetados que circularam entre os CDs destas empresas durante alguns meses;
  • a HP já está utilizando a solução inicialmente no processo de fabricação de impressoras;

• a McLane, um dos maiores operadores logísticos em atuação no Brasil, revelou que já iniciou estudos para a implementação da solução RFID/EPC com o objetivo de atender às demandas de grandes clientes.

Além disto, a própria HP e a NEC estão anunciando a abertura de “Centros de Competência” e laboratórios no Brasil que permitirão a realização de testes em ambientes simulados.

Vale ressaltar que existem questões importantes relacionadas à viabilidade da solução: a tecnologia ainda não se mostrou totalmente confiável com relação a uma leitura efetiva das etiquetas e o seu custo, embora esteja caindo, ainda não chegou no patamar necessário. Por outro lado, o processo de padronização da solução pelo EPC global tem avançado rápido, embora tem de avançar mais.

Os grandes investimentos na solução e sua utilização em alta escala no Brasil deverão acontecer em mais alguns anos, porém a prática mostra que é hora de começar a trabalhar no desenvolvimento das aplicações. Portanto, já é tempo de as empresas brasileiras iniciarem o desenvolvimento da solução visando a sua aplicação no seu processo de negócios. O uso da solução vai variar de acordo com a situação de cada empresa. Cada caso será um caso. Além do mais, os benefícios a serem obtidos também devem variar de empresa para empresa. Sem falar que utilizar a solução vai significar uma mudança nos processos operacionais e na infra-estrutura de Tecnologia da Informação (TI).

Sendo assim, cremos que a melhor alternativa é dar início ao trabalho de implementar a solução. Identificar o que os principais parceiros comerciais estão fazendo pode ser um bom início. Entretanto, mais do que isto é preciso conhecer a solução, descobrir as possíveis oportunidades, os principais impactos e os desafios a serem enfrentados. Em seguida, elaborar a versão inicial do business case e realizar o primeiro projeto piloto, podendo ser interno ou contar com a participação de algum parceiro comercial – o importante é que o piloto seja pequeno e muito bem controlado.

Esta é a forma de se definir o caminho a ser percorrido, eventualmente já colhendo os primeiros benefícios com a aplicação da solução RFID, de acordo com a situação e as demandas específicas da empresa ou da cadeia de abastecimento. Neste momento, fundamental é não ficar para trás, aguardando a evolução dos acontecimentos e simplesmente observando o que o mercado está fazendo. Boa sorte!

Eduardo Araújo Santos

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: